Após 50 dias parados, ônibus voltam a circular em Teresina com reclamações de usuários


Depois de uma greve de 50 dias, os ônibus voltaram a circular em Teresina, devido ha uma medida judicial que obrigou o Sindicato a colocar 70% da frota nas ruas durante os horários de pico e 30% nos outros horários. 
Mesmo com os ônibus nas ruas, o Sindicado dos Trabalhadores em Empresas de Transportes Rodoviários do Estado do Piauí (Sintetro ) dizem permaencer em greve por não aceitarem todas as exigências deles.

Em nota o Sintetro reitera sua descidão:

Na tarde desta terça-feira (07), estivemos reunidos por videoconferência em uma audiência de conciliação, que contou com representantes do SINTETRO, SETUT, STRANS e Ministério Público do Trabalho (MPT), onde mais uma vez, o SETUT se manteve irredutível, no sentido de não avançar nas negociações.

Assim sendo, por não haver acordo que o sistema volte a rodar com a frota de 100%, foi determinado pela Desembargadora Dra. Liana Chaib, através de liminar que os trabalhadores voltem ás atividades mesmo que de forma parcial, no prazo de 24h, que vence nesta quarta-feira (08), no turno da manhã, sob pena do Sindicado ser penalizado com uma multa diária de 50 mil reais.

Diante dos fatos acima expostos, o SINTETRO  pede aos trabalhadores que estiverem escalados a comparecerem a seus postos de trabalho, e ao tempo em que convoca a todos os que não estão escalados para comparecerem na sede do SINTETRO, para uma Assembleia Ordinária, onde serão tirados os encaminhamentos no sentido de definir o que faremos daqui pra frente. 

Usuários reclamaram da demora e da desorganização. Pois segundo  técnica em saúdo bucal, Natália Silva, os ônibus demoraram a passar e ainda estavam com os letreiros trovados. Ela explica que foi obrigada a descer do ônibus no meio do percurso.
"Eu peguei um ônibus que estava escrito Terminal Livramento, achei que iria para o terminal e de lá eu pegava o Jardim Europa, no meio do caminho o motorista diz que ia para o Redonda. Eu tive que descer e pegar um Uber até minha casa", relata. 


Postar um comentário

0 Comentários